quarta-feira, 5 de abril de 2017

Participação de Clarissa Macedo no 18º Chá de Conversa e Som


O Coletivo Chá promove no próximo dia 6 de abril, a partir das 19h30, em Feira de Santana, mais uma edição do Chá de Conversa e Som. A 18ª etapa do projeto será realizada, mais uma vez, no Malungo Centro de Capoeira Angola.

Nesta oportunidade, o tema em destaque é “Mulher (es) e sociedade: um dedo de prosa”, quando teremos uma roda de conversa sobre empoderamento feminino. As convidadas são a advogada e poeta Fabiana Machado e a enfermeira e professora universitária Ellen Oliveira. 

Neste Chá teremos vamos dar espaço para a poesia e contaremos com a participação especial da premiada poeta Clarissa Macedo, um dos nomes mais relevantes nomes do universo literário nos tempos atuais. 

O Chá

O Chá de Conversa e Som é um evento da sociedade civil, de acesso gratuito e classificação livre e fundamenta-se em encontros temáticos para “bate-papos” que girem em torno da cultura feirense, territorial e estadual.

A proposta, idealizada em 2012 pelo artista plástico e percussionista Gabriel Ferreira, foi produzida em variados espaços da Feira de Santana como o Centro de Cultura Amélio Amorim, Cidade da Cultura e Museu de Arte Contemporânea (Mac).

A atividade é organizada pelo Coletivo Chá, composto por Gabriel Ferreira, Bel Pires (Grupo de Pesquisa Populações Negras/Uneb e Malungo) e pelo radiojornalista e ativista cultural Elsimar Pondé.

SERVIÇO

O que: Chá de Conversa e Som - 18ª edição
Quando: Quinta-feira, 6 de abril de 2017, às 19h30
Onde: Malungo Casa de Cultura – Rua Barra dos Bandeirantes, nº 854 – Cidade Nova. Seguindo pela Avenida Fraga Maia, no sentido Conjunto João Paulo, entra na primeira à direita, lateral do supermercado Armazém.
Realização: Coletivo Chá
Entrada, chá e torrada: Gratuitos


Texto divulgação por Elsimar Pondé

domingo, 13 de novembro de 2016

Programa Feira Literária com Clarissa Macedo estreia dia 14 de novembro na Tv Monte Sião

Assista à Tv Monte Sião clicando aqui


“Amanhã estreia a primeira temporada do programa Feira Literária - projeto que nasceu há pouco mais de um ano e que tem como finalidade difundir a literatura. O programa será exibido pela Tv Monte Sião e disponibilizado também na internet. Estou muito feliz com esta nova experiência e cheia de ideias. Convido a quem puder, assistir toda segunda https://www.facebook.com/images/emoji.php/v5/f4c/1/16/1f642.png:)

Painel do artista visual Julio Firmo
  

Por Clarissa Macedo (via facebook)

sábado, 15 de outubro de 2016

Clarissa Macedo apresentará programa Feira Literária na Tv Monte Sião


A professora, escritora, poeta e apresentadora, Clarissa Macedo, estreia neste mês de outubro de 2016, o programa “Feira Literária” que irá ao ar no endereço eletrônico http://tvmontesiao.com/, com o objetivo de levar o mundo da literatura à tela da rede. E o programa primeiro programa terá como convidado o escritor, cantor e poeta, Markus Vinícius Borges dos Santos, conhecido como Markus Viny. A data será anunciada em breve.  


segunda-feira, 11 de julho de 2016

Escritora Clarissa Macedo assina com a editora Penalux


"A poeta Clarissa Macedo publicará conosco a 2º edição do seu belíssimo livro de poemas "Na pata do cavalo há sete abismos", que foi vencedor do Prêmio Nacional Academia de Letras da Bahia de Literatura (2013).

A obra despertou a admiração de críticos e poetas do calibre de Salgado Maranhão. Ele escreveu: "A obra se destaca por uma escrita que nos instiga e nos inquieta, como se as palavras tivessem farpas". O poeta ainda afirmou: "Clarissa Macedo chega para fazer história entre as mais brilhantes autoras da sua geração". Nós também acreditamos nisso. Daí a satisfação em recebê-la em nosso catálogo.

A publicação pela Penalux acontecerá no segundo semestre."





terça-feira, 20 de outubro de 2015

A Ópera Negra do Portal do Sertão sob o olhar de Clarissa Macedo


A Ópera Negra do Portal do Sertão é título de um documentário cuja relevância do registro cultural talvez só seja plenamente percebida pelas próximas gerações. O Reisado de São Vicente, grupo situado na região de Tiquaruçu, no interior baiano, ainda é um dos polos de resistência à total aniquilação do sentido que uma festa tradicional possui e do valor histórico-social que uma manifestação como esta confere à localidade, ao seu povo e sua marca identitária. Para quem não conhece, O Reisado de São Vicente, grupo formado por trabalhadores rurais, é uma fusão artística, visceralmente popular, que exprime a partir da música – e da poesia que lhe fica inerente – hábitos e celebrações tradicionais intrínsecas à região. Essas informações, talvez repetitivas para alguns, já confeririam louvores à produção cinematográfica em pauta. Todavia, o olhar lírico impresso numa espécie de narrativa de viagem, conduzido na tela por um Asa Filho andarilho (Asa, além de músico e dono de um dos estabelecimentos mais charmosos da cidade de Feira de Santana, é Mestre em Cultura Popular), e dirigido por Ícaro de Oliveira, proporciona que integrantes do lugar expressem algumas inquietações sobre a etnia negra que os reveste, os cantos que povoam o trabalho no campo e, em suma, a vivência de tradições, dando, assim, voz àqueles que vivem de perto sua própria cultura, legitimando, ainda mais, a iniciativa do documentário.

A fala livre não deixa o espectador perdido. A costura fílmica é bem realizada e promove, também através de gravações musicais do próprio Reisado, um entrosamento genuíno entre público/película – o que me parece ser um dos objetivos de qualquer produção cultural. Um dos pontos altos é o depoimento de abertura, que imprime no telespectador um pensamento, singelo e eloquente, acerca da diferença de cor de pele; se não me falha a memória, a fala é arrematada da seguinte maneira: “a diferença de cor existe porque não dá pra ser tudo igual, tem que ser diferente” – direta, sem floreios, o depoimento faz refletir sobre o drama da etnia e o precário “argumento” que o preconceito étnico pretende sustentar. Para encerrar as linhas, vale mencionar que A Ópera Negra do Portal do Sertão registra tônicas que são, ou deveriam ser, caras a qualquer sociedade que se preocupa com a manutenção de si mesma, a exemplo da discriminação, da memória de um povo, e de todo um corpus sócio-afetivo que caracteriza o lugar. Em síntese, a composição dramática que recobre A Ópera Negra é de forte tecido poético e abre o Portal do Sertão para a entrada de novos interlocutores sociais e de uma atenção voltada para questões que devem ser refletidas pelo bem da preservação salutar de um povo.

Direção: Ícaro de Oliveira
Argumento: Asa Filho e Ícaro de Oliveira
Imagens: Augusto Bortolini, Cassius Borges, Ícaro de Oliveira, Poliana Costa e Thacle de Souza
Som Direto: Breno Tsokas, Lucas Pereira e Pedro Patrocínio
Mixagem e Edição: Pedro Patrocínio Produção:
Atelier Filmes Realização: Orcare e Atelier Filmes


quinta-feira, 19 de junho de 2014

Parceria entre Gabriel Ferreira e Clarissa Macedo


quarta-feira, 20 de novembro de 2013

A poesia baiana na Colômbia

Clarissa Macedo estará levando sua poesia, e a de seus pares, à Colômbia. A escritora
participará de diversos eventos literários na cidade de Bogotá, além do Encontro Nacional e Internacional de Mulheres Poetas em Cereté e do Festival Internacional de Poesia em Cartagena de Índias. Seu tour literário pelas terras colombianas começará no dia 22 de novembro.



Copyright © 2014 Clarissa Macedo